quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 14 de abril de 2010

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

terça-feira, 7 de julho de 2009

quinta-feira, 30 de abril de 2009

domingo, 1 de fevereiro de 2009

sábado, 1 de novembro de 2008

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

sábado, 16 de agosto de 2008

quinta-feira, 24 de julho de 2008

quarta-feira, 2 de julho de 2008

segunda-feira, 9 de junho de 2008

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Oi Gisa,

Desculpe a demora em te responder, essa semana foi difíiiiiicil. Mas acabou, bom quase, amanhã trabalho o dia todo e fim.

acho legal, a regra do jogo já está aí definida, vaca amarela.

o que você pensa de:

1) a gente definir um período de três meses ... começando em junho agora, onde a gente vai se enviar apenas desenhos e

2) ao mesmo tempo irmos anotando num caderninho o porque da escolha daquele desenho enviado e o que entendemos da resposta/desenho da outra. Como se escrevêssemos um roteiro. que tal ?

acho que aí é minha curiosidade que propõe. Assim, depois, quando compararmos os escritos, se for importante ou curioso, teremos um pouco a sensação que você teve ao ver montada sua instalação no local da exposição.

beijos
Gabi

domingo, 25 de maio de 2008

Gabi,



Tenho pensado muito em escrever, e escrito pouco, como você vê. Mas tentando lembrar os pensamentos:



1. Essa imensa diferença de quatro mil cento e tantos quilômetros na verdade não faz diferença alguma, não é? Quando imagino a distância entre nós só consigo pensá-la em termos de tempo, horas de vôo, fuso-horário (o tempo que o sol leva pra vir daí pra cá). Nunca em termos de espaço. É essa limitação da nossa mente (ou da minha) para lidar com coisas gigantes ou mínimas.



2. Acho que conseguimos, sim, criar um diálogo à distância. Talvez não nos entendamos, mas o jogo pode funcionar se prevermos que não precisamos nos entender, que o 'mal-entendido' vale também. Fiz isso uma vez num trabalho, mas não era um diálogo propriamente dito, funcionava só de lá pra cá: pedi aos organizadores de um festival que me descrevessem um espaço de esposição em que eu iria instalar um trabalho, e que eu não conhecia. A descrição poderia ter palavras (escritas ou faladas) mas nunca fotos. Meu trabalho seria a representação em escala real da descrição deles. Pra complicar, eles falavam alemão e um pouco de inglês e eu, francês e um pouco de inglês também. Em alguns momentos, trabalhamos com um intérprete do alemão para o francês. O resultado final mostrou várias discrepâncias entre as descrições e o lugar, devido a problemas de comunicação e de interpretação. Mas foi dessas discrepâncias que nasceu a meu ver o interesse do trabalho. Bom. Tudo isso pra dizer que acho que esse diálogo pode justamente funcionar pela dificuldade que apresenta. Temos é que definir o funcionamento do jogo.



3. Sim, certamente seria/será uma reflexão sobre o olhar do outro. Me interessa muito pensar essa proposta desse ponto de vista.



E então? Como fazemos? Uma vaca amarela - daqui pra frente, só imagens? (glup) ou talvez seja melhor ainda conversar e entender melhor como isso pode funcionar... Vamos pensando, eu aqui, você aí, nos intervalos.



Beijos



Gisa

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Oi Gisa,

Adorei sua foto montagem aproximada para base de um sistema de levantamento meio torto.  :) 

A escada é mesmo linda, e que diferença de construção em relação as escadas que encontrei por aqui. 

Fiquei esses dias pensando em como poderíamos nos enviar desenhos, a única coisa que consegui imaginar é em iniciar um diálogo de desenhos. Como você disse, questões desenhadas, comentários. Será que a gente consegue criar um diálogo com desenhos a distancia ? Será que a gente vai se entender ? 

Acho que pode ser uma tentativa interessante. Pode ser também uma pesquisa prática sobre o lugar do espectador, o olhar do outro.  

Nos meus calculos meio inventados tenho aí 4.106, 15 Km de aproximação, só uma distância como o Brasil de norte a sul, bobagem, coisa pouca.

beijos
Gabi